Tooway - Política de Uso Justo (Fair Use Policy)

PART I: VISÃO GLOBAL

Fair Use Policy (PDF)

A Tooway fornece os seus serviços de banda larga via satélite através do satélite KA-Sat, que é propriedade da Eutelsat.

A Eutelsat não tem papel na comunicação directa com utilizadores ou clientes finais. O seu único papel em relação aos clientes é gerir as operações de satélite e o tráfego na rede.

A Bigblu, empresa controladora da Tooway, é responsável por todos os serviços directamente relacionados com o cliente. por exemplo. vendas, cobrança, suporte, instalação e logística.

Como a maioria dos serviços domésticos de banda larga terrestre, a rede Tooway da Eutelsat (a “Rede”) é uma rede compartilhada e de “best effort”; a qualquer momento, os utilizadores de uma determinada área geográfica devem partilhar a capacidade de rede disponível.

A Eutelsat visa fornecer a cada utilizador uma “porção justa” dessa capacidade, enquanto fornece a todos os assinantes uma experiência online de alta qualidade. Caso exceda o pico de uso ou os limites mensais, deve esperar que o seu serviço possa sofrer alguma redução, especialmente nos horários de pico, para permitir acesso justo a outros utilizadores que não tenham excedido o uso mensal. Poderá identificar se o seu serviço está a sofrer algum impacto, pela gestão de tráfego (FUP) através do Portal do Cliente.

A Eutelsat emprega práticas de gestão de rede projectadas para impedir que qualquer utilizador tenha uma utilização desproporcional aos recursos da rede. Algumas dessas práticas são usadas apenas quando a rede está congestionada; outras são aplicadas ​​de forma mais generalista.

Os níveis de tráfego na rede geralmente não têm impacto significativo na experiência do utilizador. A Eutelsat projectou sua rede com cuidado para alcançar esse resultado. Outras vezes, no entanto, muita procura de muitos utilizadores no mesmo período pode levar ao congestionamento da rede, onde a procura total excede o disponível na rede.

Durante esses períodos, as práticas de gestão de congestionamento da Eutelsat (consulte a Parte II para obter mais detalhes) serão aplicadas primeiro a utilizadores que já utilizaram mais de 50% do tráfego incluído no seu perfil de consumo.

As práticas de gestão poderão variar consoante o seu tarifário. Para uma consulta específica por tarifário, consulte o seguinte documento:

Fair Use Policy (PDF)

PARTE II: PRÁTICAS DE GESTÃO DE CONGESTIONAMENTOS

A. Visão global da gestão de congestionamentos

Sob condições normais de tráfego, não é necessário que a Eutelsat utilize práticas de gestão de congestionamentos. No entanto, embora a capacidade da rede seja abundante, ela não é ilimitada. Isso significa que alguns congestionamentos nos horários de pico são inevitáveis – e é aí que as práticas de gestão de congestionamentos garantem que a carga seja gerida para fornecer a melhor experiência possível ao maior número de pessoas que utilizam a rede.

O congestionamento normalmente ocorre no link entre o terminal do utilizador e a estação terrestre do gateway via satélite. Para determinar se o link está congestionado, a Eutelsat monitoriza continuamente a carga de tráfego em cada canal/spot beam. Se a carga instantânea do tráfego exceder a capacidade disponível do canal/spot beam, a Eutelsat implementa o algoritmo de gestão de congestionamento descrito abaixo.

B. Atenuar o impacto do congestionamento da rede na experiência do utilizador

O tráfego da Internet normalmente é de natureza “explosiva”, ou seja, os fluxos de tráfego geralmente não são constantes ou contínuos, mas são caracterizados por “explosões” de dados. Ocasionalmente, muita procura de muitos utilizadores no mesmo período resulta numa procura instantânea total por capacidade que excede, temporariamente, a capacidade disponível.

Nessas ocasiões, a rede pode sofrer congestionamento. Normalmente, o congestionamento ocorre durante o horário de uso de “pico” da rede, que geralmente pode ser das 17:00 às 00:00, horário local no local do utilizador, dependendo do dia da semana (“horário de pico”).

O congestionamento também pode ocorrer durante certos períodos em que o uso é “não medido” (como a “zona livre nocturna”).

O congestionamento e o atraso de transmissão resultantes afectam mais a experiência do utilizador em relação a alguns tipos de aplicativos que outros. Por exemplo, um atraso na renderização de uma página web pode ser notado por um utilizador aguardando o conteúdo aparecer no ecrã. Por outro lado, um utilizador que faz o download de um ficheiro em massa (por exemplo, uma actualização de software) pode sofrer menos impacto se o download demorar mais durante o Congestionamento do que seria, pois o utilizador já deve saber que o download requer algum tempo para ser concluído.

Os clientes também devem estar cientes de que a própria Internet pública pode sofrer frequentes “bottlenecks” e congestionamentos e, se os utilizadores experimentam alguma ‘lentidão’, não deve ser automaticamente assumido como relacionado ao congestionamento da rede Tooway.

O objectivo da Eutelsat é gerir a sua rede de forma a minimizar o impacto do congestionamento no tráfego. Para atingir esse objectivo, o algoritmo de gestão de congestionamento da Eutelsat foi projectado para reduzir a carga de tráfego, dando preferência a serviços e aplicativos que exigem menos largura de banda de transmissão, como navegação na Web e Email.

Durante períodos de congestionamento, aplicativos com uso intenso de largura de banda, como streaming de vídeo e download de ficheiros, podem ser mais afectados do que outros aplicativos. Como resultado, a qualidade da transmissão de vídeo pode ser reduzida e/ou o buffer pode ocorrer. Além disso, os downloads de ficheiros podem levar mais tempo para serem concluídos durante os períodos de congestionamento.

Sob um congestionamento mais severo, todos os aplicativos podem precisar ser mais lentos e, nesses casos, o tempo para baixar páginas da Web pode levar mais tempo para a Eutelsat e o serviço Tooway opera como um “mero canal”. Apesar de a Eutelsat não estar de forma alguma envolvida com as informações transmitidas pela rede, após uma solicitação específica de uma autoridade pública, a Eutelsat pode bloquear o acesso a URL’s específicos.

A Eutelsat não bloqueia intencionalmente nenhuma forma específica de tráfego (a menos que seja explicitamente especificado nas características de um determinado perfil de serviço), mas pode bloquear certas portas TCP/UDP e/ou protocolos específicos que acredita razoavelmente que possam representar uma ameaça à segurança da rede.

C. Grande Utilização (Grandes utilizadores)

Um “grande utilizador” é um utilizador (ou um pequeno grupo de utilizadores) que consome uma quantidade desproporcional dos recursos de uma rede. A Eutelsat monitorizará o desempenho geral da rede e o consumo de recursos individuais para determinar se algum utilizador é um “grande utilizador”, que pode potencialmente interromper ou degradar a rede e/ou seu uso por outros utilizadores.

A Eutelsat reserva-se ao direito de restringir, suspender ou encerrar imediatamente as Contas de Serviço de “Grandes Utilizadores” sem necessidade aviso prévio.

PART III: NAVEGAÇÃO NA WEB E EMAIL

Durante a limitação do período de serviço, para garantir uma navegação completa na Web e e-mail, o utilizador precisa seguir todas as directrizes abaixo (caso contrário, nenhum serviço estará disponível):

  • Rede virtual privada (VPN) e software de acesso remoto devem estar desactivados;
  • É necessário utilizar um aplicativo de navegação da web (browser). Somente o conteúdo estático (sem vídeo, sem música) visualizado em um aplicativo de página da web é qualificado como navegação na web e/ou email. O conteúdo visualizado em outros aplicativos não pode ser considerado páginas da Web ou e-mail (por exemplo, aplicativos Android, iPhone ou iPad que não sejam navegadores Web);
  • Os URL’s devem começar com http:// ou https://. Isso significa ftp:// e outros tipos de sites que iniciam aplicativos externos não serão classificados como tráfego Web;
  • Os anexos de email devem ter 10MB ou menos.